Menu
Create Custom Side Menus
Not that ugly
308
post-template-default,single,single-post,postid-308,single-format-standard,theme-borderland,eltd-core-1.1.3,woocommerce-no-js,borderland-theme-ver-2.2,ajax_fade,page_not_loaded,smooth_scroll,paspartu_enabled,paspartu_on_bottom_fixed,side_menu_slide_with_content,width_470, vertical_menu_with_scroll,columns-3,type1,wpb-js-composer js-comp-ver-6.1,vc_responsive

Not that ugly

Not that ugly

Introdução
Este projecto tem como objectivo mostrar a diversidade, desigualdade, decadência e multi-culturalidade de locais como Anjos, Intendente, Martim-Moniz e Mouraria. Estes bairros experienciam uma condição urbana atravessada por inúmeras contrariedades e heterogeneidades: envelhecimento da população a par da renovação trazida pelos imigrantes, degradação e precariedade das condições de habitabilidade, comércio formal/informal, tráfico e consumo de drogas, prostituição, sendo também bairros expressivos de ‘cultura’ e ‘diversidade’.

Comecemos pela Mouraria.
O bairro da Mouraria é um dos bairros mais tradicionais de Lisboa. Foi nesta zona que os mouros foram viver depois da conquista de Lisboa, por D. Afonso Henriques, em 1147 até serem expulsos no século XV. Dessa época restam poucos vestígios, no entanto a Mouraria é ainda hoje o bairro mais multicultural da cidade. Ao todo coabitam neste bairro 56 nacionalidades, sendo a maioria do Bangladesh, China, Índia, Paquistão e Moçambique.

Apesar da sua multiculturalidade, a Mouraria continua a ser um bairro tipicamente lisboeta onde as pessoas nascidas e criadas naquele bairro vivem o seu dia-a-dia de forma modesta e quase despercebida em contraste com a confusão criada pelos turistas que por ali passeiam, alheios de tudo o que os rodeia.
Mas nem tudo é um mar de rosas, basta um olhar atento para observar o lado negro deste cantinho de Lisboa. Durante uma tarde decidi explorar esse lado. Peguei na minha máquina fotográfica e por ali andei, parei, observei e fui captando caras, momentos e situações menos felizes mas que fazem parte da realidade. Tive receio, confesso. Conhecia as histórias e tinha uma ideia do que se passava. Rapidamente percebi que limites não podia ultrapassar.
Depois de andar pela praça do Martim-Moniz decidi parar na Rua Fernandes da Fonseca ao pé da paragem de eléctrico do Socorro. 20 minutos e um olhar atento bastaram para começar a ver as movimentações e peculiaridades daquele pequeno local.

Este indivíduo captou a minha atenção. Rondava calmamente o local à procura do próximo cliente enquanto olhava para o chão em busca de beatas. Passado alguns minutos parou e decidiu retocar as sobrancelhas. Um cotonete, um batom preto e um pequeno espelho bastaram para ficar satisfeito com a sua imagem. Entretanto recebeu o toque que estava à espera e seguiu a sua vida deixando o lugar livre para outra pessoa tratar do seu negocio.

No Comments

Post a Comment